Na Sombra do Poder

Na Sombra do Poder: a logística dos deuses

[Na Sombra do Poder: a logística dos deuses]
14 de Junho de 2018 às 00:00 Por: Editoria de política0comentários

Logística dos deuses

Não é novidade que o contrato para armazenar os medicamentos da Secretaria de Saúde do município de Salvador é motivo de disputa pesada entre empresas do setor de armazenamento. Essa semana, em um restaurante da Marina, dois gigantes do setor almoçavam e tricotavam sobre o assunto. O prefeito ACM Neto vai ter que acalmar os ânimos da turma da logística soteropolitana. É fato que eles estão preparando denúncia ao MP sobre o vultoso contrato “apenas" para estocar medicamentos. Haja galpão para tanto remédio... enquanto isso, nas UPAS, o povo não vê nem um Tylenol.

Depois do cavaco

Pegou mal no ninho “menudista” do Palácio Thomé de Souza a ida do secretário de Saúde, Luís Galvão, a um boteco no Calabar para tomar uma cervejinha com os amigos e tocar aquele sambinha arranhando com um cavaco. Fontes ligadas ao BNews dizem que o clima ficou pesado nos dias posteriores entre o jovem gestor e alguns pares ligados ao prefeito ACM Neto. Há quem diga até que o prefeito torceu o nariz para o fato. Como medida de precaução deu uma chamada em “geral” sobre postagens em redes sociais e mandou avisar que os forrós estão chegando e, portanto, se comportem; É esperar para ver.

De quem é esse sapato?

Um secretário do prefeito ACM Neto (DEM) foi flagrado passeando por aí com um sapato bico fino. O que mais chamou a atenção foi o acabamento com pele de jacaré. Não é para qualquer um. Veja aqui de quem estamos falando.

A largada

Entre os deputados, pré-candidatos a cargo eletivo, a máxima que circula é que a população - leia-se eleitor - só vai se preocupar com a eleição quando acabar a Copa do Mundo. Ao menos, no que se refere às escolhas majoritárias: presidente, senadores e governador. Já quando o assunto é eleição Legislativa o papo é outro. Todo mundo circulando pelo interior em busca de voto.

Voto-ouro

Outro ponto pacífico entre os pré-candidatos aos Legislativos, independentemente de coloração partidária, é o custo da campanha. O choro está grande e todos se queixam do quanto está sendo pedido por lideranças para catalisar votos. Os valores são assustadores. Interessante é que ninguém denuncia. Nas rodas de conversa é consenso que esta será a eleição mais cara de todos os tempos.

Balcão de negócios

De um deputado indignado com a situação: “infelizmente chegamos a este ponto. Os prefeitos sabem que nós (candidatos a deputado estadual) não teremos dinheiro do fundo partidário e que tampouco as doações serão significativas, então eles (prefeitos) falam para conversar com vereadores e aí é um Deus nos acuda”.

Atento aos sinais

O Tribunal Regional Eleitoral da Bahia e o procurador eleitoral devem ficar atentos aos movimentos. Se o que dizem é verdade sobre o custo (por fora, ou seja, dinheiro não contabilizado ou registrado), não é possível que ninguém seja preso ou pelo menos impedido de disputar a eleição.

O espelho

A população - ainda leia-se eleitor - também tem a sua parcela de culpa. Não adianta ficar protestando e criticando a classe política e pedindo, recebendo ou aceitando dinheiro sujo para votar. Quem faz isso deveria ficar pianinho quando os “representantes” fazem coisa errada.

Tempo, tempo

E o deputado Lúcio Vieira Lima? Postou em suas redes sociais uma foto se maquiando e cuidando da beleza. Convenhamos, deputado: com todos os pepinos e investigação, sobrou tempo para se deliciar no salão?

Farinha pouca...

Nesta semana, os deputados estaduais resolveram votar um catatau de projetos. Matérias do TJ, MP e outras do Executivo que atendem aos próprios parlamentares. Luciano Simões (DEM), da oposição, ajudou a destravar a pauta. Uma matéria que atendia a um município dele foi inserida nas que foram votadas e ele pressionou os colegas de bancada para não obstruir ou impedir o acordo.

...Meu pirão primeiro

O governador Rui Costa (PT) continua não pagando as emendas da oposição. Os deputados estão indignados e se queixam da falta de postura do Judiciário ou órgãos competentes que deveriam assegurar o cumprimento da lei. As emendas são constitucionais e devem ser pagas. Aos deputados aliados, reclamam os oposicionistas, o governo tem derramado equipamentos e ambulâncias.

A meta

A Bahia Farm Show deste ano superou o volume de negócios do ano anterior. Foram mais de R$ 1,8 bilhão frente aos R$ 1,5 bilhão de 2017. Para 2019, a meta é chegar aos R$ 2 bilhões. A segunda maior feira do segmento agroindustrial no país pode superar a primeira que é realizada em São Paulo.

Estilo

Se a feira foi um show, literalmente, essa chapeleta não combinou muito. Imbassahy, Júnior Marabá e Paulo Câmara. Voto é voto, meu amigo. E ainda mais numa feira que lucrou mais de R$ 1 bilhão com toda a patota do alto escalão do agronegócio, ao invés de tirar, todos botam o chapéu.

A espera pelo sacrifício

A bancada de oposição na Assembleia Legislativa da Bahia (AL-BA) se reuniu na última terça-feira (12) com José Ronaldo (DEM), pré-candidato ao governo estadual. Os deputados disseram que o encontro serviu para planejar os próximos passos e definir estratégia, mas tem parlamentar que ainda espera ver ACM Neto “entregar” alguém para compor a chapa. Quando dizem: entregar alguém querem dizer tirar algum candidato com densidade eleitoral para abrir espaço.

Colando na corda

Depois de um período fora do circuito político e administrativo, ACM Neto vai ‘mergulhar’ na pré-campanha de Zé Ronaldo. Vai a Valença e Vitória da Conquista até este sábado (16). Aliados cochichavam pelos cantos que ele estava devendo, ou seja, um pouco ausente no engajamento com as pré-candidaturas do seu grupo.

Um aceno

Enquanto isso, Neto continua trabalhando as peças do seu tabuleiro político. E para não ficar tão mal na fita com os deputados que precisam de reeleição, o prefeito tem dividido os votos dos vereadores para cada deputado de sua bancada. “Primeiro, porque quer se redimir, e segundo porque quer formar bancada na Assembleia Legislativa”, confidenciou um vereador. 

Servidores na bronca

Se com seu grupo político o prefeito vem refazendo as pazes, por outro “está de mal” com os servidores públicos. A polêmica da retirada de gratificações dos funcionários tem gerado embates na Câmara e vereadores da base nem querem falar sobre o assunto. Não concordam com a proposta em um período eleitoral, mas vão seguir as ordens do alcaide. Contudo, os servidores prometem invadir a Casa Legislativa na próxima segunda-feira (18) logo após a aprovação do projeto.

Reflexos

Desde que o prefeito ACM Neto decidiu “não dar a cara a tapa” nas eleições de outubro, sua imagem vem se dissolvendo aos poucos. Aliados na Câmara de Vereadores de Salvador já não o vê com os mesmos olhos de líder, e muitas determinações daquele que era soberano já não são cumpridas com o mesmo fervor. No interior, a debandada de prefeitos da oposição para o grupo de Rui Costa é outro efeito colateral da não candidatura de Neto.

A chama

Na semana passada, esta coluna trouxe à tona a “briga no ninho” entre o presidente da Câmara Leo Prates e o deputado estadual Pablo Barrozo por “desvio de votos”. Prates garante que não tem problemas nenhum com Barrozo. E vice-versa. No entanto, o prefeito ACM Neto não é o bombeiro tentando apagar o incêndio, mas sim a chama do fogaréu.

O risco

Irmão Lázaro continua enfrentando forte resistência dos setores políticos para ser candidato ao Senado. Sustentam que ele contribui mais sendo vice, pois nada garante que quem vai votar nele na disputa para o Senado votará em José Ronaldo para o governo. De quebra, ajuda Jutahy Magalhães Júnior. Disputando o Senado, Irmão Lázaro poderia inviabilizar uma possível eleição do tucano.

O preço

Os socialistas dão como certa a saída de Lídice da chapa. Petistas, comunistas e socialistas gostariam de vê-la lá, mas sabem que o jogo político é definido por um conjunto de fatores e aí é que mora o problema para a ex-prefeita de Salvador. Ela, segundo fontes desta coluna, organizou mal o partido durante décadas e agora paga o preço por isso. 

O gesto

O governador Rui Costa não quer ficar devendo favor a Lídice da Mata. Por isso postergou nas duas últimas semanas o anúncio da chapa majoritária. Esperou que a senadora fizesse o gesto de “renunciar” à candidatura como se fosse uma decisão consensual. A declaração não veio e ele ficou na saia justa.

A pressão

Para além da ausência do gesto, aliados classificaram como tiro no pé o suposto movimento atribuído à senadora, que teria mobilizado políticos de diversas correntes para gravar vídeos em sua defesa. 

Na  pista

Se Leão é rei, o filho de Leão é príncipe? A indagação vem após o deputado federal Cacá Leão, filho do vice-governador João Leão, postar uma foto montado em um cavalo com a legenda em que se auto intitula príncipe. Para além da elevada autoestima, olhe o que escreveu o deputado em pleno Dia dos Namorados: “Um príncipe eu já sou. O cavalo branco, eu já tenho. Só está faltando a princesa”. E completou #tonapistapranegócio.

Pagando para ver

Em sua passagem por Salvador na última segunda-feira (11), a presidenciável Manuela D´Ávila (PCdoB) apostou que haverá cerca de quatro candidaturas presidenciais na esquerda, confirmando o cenário atual, que aponta para a fragmentação. O que é interessante e digno de nota é que a direita e o centro têm se mostrado muito mais dispostos a dialogar entre si em busca de unidade. Temem ficar fora do segundo turno – medo que parece não atingir a esquerda.

Disputa nutricional

Depois do vereador Ricardo Almeida (PSC) aparecer na coluna saboreando um doce refino, eis que o presidente em exercício da Câmara de Vereadores de Salvador, vereador Kiki Bispo (PTB), como diria na gíria popular, “estarrou” nas suas redes sociais. Olha o tamanho do prato da criança. Em dados momentos fica posando nas fotos da Body Tech, luxuosa academia, e em outros jogando pra cima tudo que perdeu na queima de caloria. Se for pra pegar gordura política, aí tudo bem...

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

Eduardo Entrevista

Mais Lidas