Bahia

Grupo é resgatado de obra em trabalho análogo ao escravo em Camaçari

[Grupo é resgatado de obra em trabalho análogo ao escravo em Camaçari]
13 de Agosto de 2017 às 15:19 Por: Reprodução Por: Redação BNews0comentários
Cinco trabalhadores que estavam em condições de trabalho semelhantes ao escravo foram resgatados, nesta quinta-feira (10), por auditores fiscais do Ministério do Trabalho, em Camaçari, na região metropolitana de Salvador. 
 
De acordo com o ministério, os trabalhadores, aliciados na cidade sergipana de Lagarto, foram encontrados nas obras de uma loja de calçados sob responsabilidade de uma empresa de engenharia no centro da cidade.
 
Os trabalhadores não tinham carteira de trabalho assinada e a jornada diária de atividades era de até 16 horas. Todos ficavam alojados no mesmo local onde foram encontrados, no canteiro de obras. Eles dormiam em colchonetes colocados sobre papelão, não havia camas, cobertas ou travesseiros. 
 
Segundo o Ministério do Trabalho, o grupo satisfazia as necessidades fisiológicas em uma parte do canteiro, que também não possuía local adequado para refeições, que eram preparadas pelos próprios empregados com o uso de um fogão portátil ligado a um botijão de gás.
 
 A fiscalização no local onde o grupo estava foi iniciada para averiguação de acidente ocorrido com um dos trabalhadores da obra, gravemente ferido por conta da queda do telhado da edificação de dois pavimentos. O ministério não detalhou quando ocorreu o acidente. Os auditores fiscais do trabalho notificaram o empregador para a regularização do vínculo e o pagamento das verbas rescisórias dos resgatados, além da liberação da guia do Seguro Desemprego.
 
Ainda segundo o ministério, os trabalhadores eram submetidos às atividades de pedreiro e servente. O trabalho era realizado em condições extremamente inseguras. A instalação elétrica estava completamente irregular, com fiação espalhada pelo canteiro de obra, contendo partes vivas expostas.
 
Os cintos de segurança fornecidos também não eram apropriados para trabalho em andaimes, possuindo apenas um talabarte (equipamento que faz parte de um sistema antiqueda). Além disso, não existia linha de vida na obra (ancoragem horizontal), o que obrigava os trabalhadores a prenderem os cintos na estrutura do próprio andaime. Os trabalhadores relataram aos auditores que não foram submetidos a treinamentos de segurança pelo empregador.
 
 
Publicado originalmente 12/08 às 14h08

 

Os comentários não representam a opinião do portal; a responsabilidade é do autor da mensagem.

Leia os termos de uso

jusnews

Na Sombra do Poder

Eduardo Entrevista

Mais Lidas