Consórcio Alusa Galvão Tomé continua sem pagar empresas quarterizadas


Por Redação Bocão News (Twitter: @bocaonews)

Em outubro do ano passado, o Bocão News publicou uma denúncia feita por um representante de empresas quarterizadas contratadas pela Alusa Galvão Tomé - consórcio contratado pela Petrobras entre os anos de 2007 e 2008 para prestar serviço de engenharia na refinaria Landulfo Alves, no município de São Francisco do Conde, região metropolitana de Salvador. Segundo a denúncia, o consórcio não paga as empresas quarteirizadas  há mais de um ano, apesar de receberem da Petrobras.

“Meu medo é que essas empresas saiam da Bahia e deixem o “rombo” aqui. Queremos agilidade da Justiça. E a Petrobras é conivente por não fiscalizar esse saldo devedor. E é essa a empresa de primeiro mundo? Os empreendimentos de fora chegam à refinaria Landulfo Alves para prestar serviço e não prestam, contratam quarteirizadas e não pagam”, questiona um dos donos dessas empresas. Entre as vítimas do Alusa Galvão Tomé, contratada no mesmo período, está a Isorel- Locação e Serviços Ltda, empresa especializada em montagem e ou desmontagem de andaime de todos os tipos entre outros serviços. Ainda de acordo com denúncias, o Alusa Galvão Tomé já deve mais de R$ 1 milhão a essas empresas.

Em entrevista ao Bocão News, o diretor do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil, Montagem e Manutenção Industrial (Sitccan), Antonio Raimundo Loteba, acredita que a Petrobras deve rever os contratos que firmou com essas construtoras. "A Petrobras tem que rever o contrato que ela tem com as construtoras porque só faz quebrar a gente. No final das contas, as empresas não têm dinheiro para pagar as rescisões e quem sofre são os fornecedores, empresas de transporte e alimentação, por exemplo. A gente não tem o que questionar da Petrobras porque ela está juridicamente respaldada. Mas nós não conhecemos o modelo do contrato que foi firmado", disparou o sindicalista.

A reportagem tentou falar com as construtoras do consórcio, mas ninguém foi encontrado para falar sobre o assunto. Já a Petrobras, revelou que não vai se manifestar sobre o assunto.


Construtoras Schahin e Alusa não pagam quarteirizadas


Nota originalmente postada às 9h do dia 8


COMENTAR

* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.

Windows Media Player Winamp QuickTime Real Player

RELACIONADAS

Política

Sem patrocínio histórico da Petrobras no Carnaval, Neto demonstra preocupação

Política

Cidade americana entra com ação contra Petrobras nos EUA

Política

Maia defende parlamentares e culpa Executivo por corrupção na Petrobras

Política

"O PT capturou a Petrobras", diz Imbassahy

Política

Lúcio acredita que investigações na Petrobras chegarão a Gabrielli