Rodoviários de Salvador confirmam paralisação no dia 28


Por Tiago Di Araujo | Fotos: Bocão News

Na próxima sexta-feira, dia 28 de abril, a capital baiana deverá amanhecer sem ônibus nas ruas. Isso porque os rodoviários pretendem paralisar as atividades em protesto contra a reforma trabalhista, que segundo o diretor do Sindicato dos Rodoviários de Salvador, Daniel Mota, "vai afetar em alguns itens à categoria". 
 
Questionado se ainda há possibilidade da paralisação ser cancelada, o representante foi enfático. "Está certo como dois e dois são quatro. Vamos adotar a metáfora da música de Raul Seixas "o dia em que Salvador parou"", disse em entrevista ao Bocão News.
 
Porém, Mota gartantiu que tudo será feito dentro da legalidade permitida. "Estamos preparando a documentação e vamos divulgar tudo certinho. A  intenção é trabalhar somente com a frota mínima", detalhou ao ressaltar que não haverá manifestações nas ruas. "Tudo ocorrerá dentro das garagens".
 
O diretor ainda destacou que a paralisação foi decidida em assembleia junto com os trabalhadores, mas que ainda vem sendo discutida com toda categoria como forma de conscientização e esclarecimento para todos os rodoviários. 

COMENTÁRIOS

Sileide Azevedo - 25/04/2017 - 11:07
Fiquei bastante feliz em ler os comentários de vocês, pois entendem o quanto se faz necessário lutar por direitos conquistados debaixo de lutas árduas e até derramamento de sangue e prisões dos nossos companheiros, que lutaram bravamente para que nós fossemos respeitados e tivéssemos os nossos direitos garantidos em lei. Infelizmente estamos tendo que lidar com essa invasão as nossas conquistas. É uma pena, mas ainda temos chance de impedir que esse mal nos sobrevenha, basta deixarmos a nossa zona de conforto e lutarmos unidos pelo objetivo em comum. #ForçaBrasil #GreveGeralSextaDia28 Ou lutamos hoje ou morremos trabalhando.
Jorge Luiz Requião da Silvao - 25/04/2017 - 10:06
Cesar Augusto, concordo com vc, gênero e número!!!
elio - 24/04/2017 - 12:08
Ainda tem essa mais nova do nosso Presidente Temer A fonte secou e, em 2016, não haverá dinheiro suficiente para manter importantes serviços gratuitos de saúde no país: o programa Farmácia Popular e os procedimentos de alta e média complexidades. O Ministério da Saúde vai acabar, já no início de 2016, com o ?Aqui tem Farmácia Popular? ? uma parceria com grandes redes de drogarias, que oferece descontos de até 90% em remédios. Além disso, avisou que, no último trimestre do ano que vem, não terá mais dinheiro para fazer repasses a estados e municípios.
Camila - 24/04/2017 - 10:59
Bom dia caros leitores! sou sim a favor de uma greve geral conta a essa reforma da previdência que na verdade vai esmagar a classe trabalhadora, que mostremos sim a nossa insatisfação, e o descaso alheio que tudo isso esta causando ao nosso povo brasileiro, mais que seja uma greve passiva sem vandalismo, quebra- quebra e que não venha causar nenhum dano ao patrimônio público, lojas e empresas particulares. Se eu pudesse fazer alguma coisa alem de participar da greve daria a minha opinião que se estivesse no congresso Nacional não prenderia nenhum politico mais seria a favor que eles devolvessem todo dinheiro e bens aos cofres público, e passaria a ganhar um salario minimo e uma casa do projeto minha casa minha vida, para cada um deles sentir no bolso e na consciência como é que o trabalhador enfrenta o dia a dia para sobreviver.
Ivo Franco - 24/04/2017 - 10:25
Porque a reforma da previdência é só para o trabalhador e não para os políticos também! Gostaria de ver eles se aposentando também com 65 anos.
cesar augusto - 23/04/2017 - 21:03
mais o principal não estamos saindo as ruas para pedir a reforma do codigo penal, vocês já repararam que nenhuma instituição pedem isto, para mim hoje é o principal para diminuir a violencia e a ladroagem no pais?

Carregar mais comentários.

COMENTAR

* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.

RELACIONADAS