"Meu silêncio nunca esteve à venda", diz Cunha em depoimento


Por Redação BNews | Fotos: Reprodução

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) disse nesta quarta-feira (14) à Polícia Federal que seu silêncio "nunca esteve à venda", segundo o advogado Rodrigo Sánchez Rios. "Ele nunca foi procurado por ninguém para falar a respeito", disse o defensor.
 
O advogado disse que estima que o depoimento de Cunha à PF tenha durado cerca de uma hora e meia. Cunha chegou à superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, por volta das 10h, trazido do Complexo Médico Penal, em Pinhais, região metropolitana, onde está preso preventivamente desde o ano passado. Ele está sendo ouvido como testemunha no processo.
 
O inquérito contra Temer foi autorizado pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal) após as delações premiadas da JBS.
 
A PGR (Procuradoria-Geral da República), que pediu a abertura da investigação, afirma que um diálogo entre Temer e um dos donos da JBS, Joesley Batista, mostra que Temer teria dado autorização para que o empresário comprasse o silêncio de Cunha para que o ex-deputado não fechasse um acordo de delação premiada.
 
Temer tem rejeitado essa interpretação do diálogo e diz que o áudio apresentado por Joesley é "fraudulento". O presidente também afirma não ter se envolvido em irregularidades e ter pressa para o desfecho da investigação, para que os fatos sejam esclarecidos.
 
Fachin chegou a determinar a prisão preventiva de Cunha no inquérito contra Temer. Mas o deputado já estava preso, por ordem do juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na 1ª instância do Judiciário.
 
Cunha foi condenado a 15 anos de prisão por Moro por participação no esquema de corrupção na Petrobras.
 
A gravação da conversa entre o presidente e o empresário tem, ao todo, 38min57s. O trecho em que Joesley Batista, dono da JBS, trata com Temer sobre o seu relacionamento com Cunha, dura cerca de três minutos.
 
O assunto é tratado quando Joesley pergunta a Temer como está a relação dele com Cunha. Em seguida, o empresário disse que fez o "máximo que deu ali", "zerei tudo", para explicar que não tinha mais pendências com o ex-deputado.
 
Na conversa, Joesley disse que trata de outros assuntos com o ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB). Os comentários de Temer sobre Geddel, também investigado na Lava Jato, são incompreensíveis.
 
O dono da JBS afirma que houve vazamentos de conversas entre Cunha e Geddel que poderiam comprometer o grupo. Neste mesmo comentário de Joesley, ele declara a Temer "O que mais ou menos eu dei conta de fazer até agora: eu tô bem com o Eduardo, ok", diz Joesley.
 
Temer responde "Tem que manter isso, viu?", mas o que ele fala a seguir é inaudível.
 

COMENTÁRIOS

Onildo Silva - 14/06/2017 - 16:22
Claro que o silêncio de um homem periculoso como ele nunca estará a venda, mas sim a locação porque a cada momento ele pode ameaçar delatar e mais uma vez coloca seu instinto de corrupto a serviço com novas ameaças. Abraços

Carregar mais comentários.

COMENTAR

* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.

RELACIONADAS

Política

No Twitter, Temer diz que reunião com Aécio foi para tratar da Cemig

Política

Emendas usadas por Temer para se salvar fazem a festa de deputados

Política

Procuradoria avalia reabrir negociação de delação de Eduardo Cunha

Política

Planalto pune e retira cargos de 40 ‘infiéis’ a Temer

Política

Aliados calculam que governo conta com só 150 votos pela Previdência