"Meu silêncio nunca esteve à venda", diz Cunha em depoimento


Por Redação BNews | Fotos: Reprodução

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) disse nesta quarta-feira (14) à Polícia Federal que seu silêncio "nunca esteve à venda", segundo o advogado Rodrigo Sánchez Rios. "Ele nunca foi procurado por ninguém para falar a respeito", disse o defensor.
 
O advogado disse que estima que o depoimento de Cunha à PF tenha durado cerca de uma hora e meia. Cunha chegou à superintendência da Polícia Federal, em Curitiba, por volta das 10h, trazido do Complexo Médico Penal, em Pinhais, região metropolitana, onde está preso preventivamente desde o ano passado. Ele está sendo ouvido como testemunha no processo.
 
O inquérito contra Temer foi autorizado pelo ministro Edson Fachin, do STF (Supremo Tribunal Federal) após as delações premiadas da JBS.
 
A PGR (Procuradoria-Geral da República), que pediu a abertura da investigação, afirma que um diálogo entre Temer e um dos donos da JBS, Joesley Batista, mostra que Temer teria dado autorização para que o empresário comprasse o silêncio de Cunha para que o ex-deputado não fechasse um acordo de delação premiada.
 
Temer tem rejeitado essa interpretação do diálogo e diz que o áudio apresentado por Joesley é "fraudulento". O presidente também afirma não ter se envolvido em irregularidades e ter pressa para o desfecho da investigação, para que os fatos sejam esclarecidos.
 
Fachin chegou a determinar a prisão preventiva de Cunha no inquérito contra Temer. Mas o deputado já estava preso, por ordem do juiz Sergio Moro, responsável pela Operação Lava Jato na 1ª instância do Judiciário.
 
Cunha foi condenado a 15 anos de prisão por Moro por participação no esquema de corrupção na Petrobras.
 
A gravação da conversa entre o presidente e o empresário tem, ao todo, 38min57s. O trecho em que Joesley Batista, dono da JBS, trata com Temer sobre o seu relacionamento com Cunha, dura cerca de três minutos.
 
O assunto é tratado quando Joesley pergunta a Temer como está a relação dele com Cunha. Em seguida, o empresário disse que fez o "máximo que deu ali", "zerei tudo", para explicar que não tinha mais pendências com o ex-deputado.
 
Na conversa, Joesley disse que trata de outros assuntos com o ex-ministro da Secretaria de Governo Geddel Vieira Lima (PMDB). Os comentários de Temer sobre Geddel, também investigado na Lava Jato, são incompreensíveis.
 
O dono da JBS afirma que houve vazamentos de conversas entre Cunha e Geddel que poderiam comprometer o grupo. Neste mesmo comentário de Joesley, ele declara a Temer "O que mais ou menos eu dei conta de fazer até agora: eu tô bem com o Eduardo, ok", diz Joesley.
 
Temer responde "Tem que manter isso, viu?", mas o que ele fala a seguir é inaudível.
 

COMENTÁRIOS

Onildo Silva - 14/06/2017 - 16:22
Claro que o silêncio de um homem periculoso como ele nunca estará a venda, mas sim a locação porque a cada momento ele pode ameaçar delatar e mais uma vez coloca seu instinto de corrupto a serviço com novas ameaças. Abraços

Carregar mais comentários.

COMENTAR

* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.

RELACIONADAS

Política

Imbassahy diz que governo tem folga em votação de denúncia contra Temer

Política

Empresa de amigo de Temer tem contrato em obra da Fiol

Política

Às vésperas de ser denunciado, Temer se reúne com aliados