Dono da JBS diz ter pago R$ 400 milhões em propina disfarçada de doação


Por Folhapress

 
O empresário Joesley Batista, dono da J&F, empresa que controla o frigorífico JBS, afirmou em delação à Procuradoria-Geral da República (PGR) que seu grupo pagou R$ 500 milhões em doações eleitorais a políticos nos últimos 15 anos.
 
Segundo Batista, pelo menos R$ 400 milhões deste total foram declarados à Justiça Eleitoral. "Mas eram contrapartidas por ilícitos cometidos", afirmou. A diferença (R$ 100 milhões) foi doada por meio de notas fiscais frias ou "em espécie". "Muita doação era propina disfarçada de doação política", disse.
 
Em seu primeiro relato aos procuradores, Batista afirmou que alta direção de seu grupo praticou atos ilícitos junto a deputados, senadores, ministros e presidentes da República. 
 

COMENTAR

* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.

RELACIONADAS

Brasil

Gilmar manda soltar executivo com quem tem relações familiares

Política

PGR suspende negociação de delação de Cunha

Política

MPF acusa Joesley Batista de sonegar dados sobre sócia