Ao se despedir da Casa Branca, Obama cita racismo, exalta diversidade e chora


Por Redação Bocão News

Ao se despedir da Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama defendeu seu legado e alertou para os riscos de enfraquecimento dos valores que, segundo ele, formam a base da democracia americana. Obama citou também o racismo e que causa divisões no país e exaltou a diversidade. Durante o discurso nesta terça-feira (10) em Chicago, o presidente se emocionou ao falar da família. O público presente gritou, em coro “quatro anos mais”.
 
“Da mesma maneira que nós, como cidadãos, temos de permanecer vigilantes contra agressões externas, nós temos de estar alertas contra o enfraquecimento dos valores que nos fazem o que somos”, disse Obama.
 
“É por isso que eu rejeito a discriminação contra os muçulmanos americanos”, afirmou o presidente, em uma referência às propostas do presidente eleito Donald Trump, que tinha entre suas propostas de governo banir mulçumanos. 
 
Ele lembrou ainda do seu vínculo emocional com a cidade onde construiu sua família e ficou com a voz embargada ao falar de sua mulher, Michelle, e das filhas Malia e Sasha. “Michelle, nos últimos 25 anos você foi não apenas minha mulher e mãe de minhas filhas, mas minha melhor amiga”, afirmou o presidente em homenagem a uma das mais populares primeiras-damas da história dos EUA.
 
Obama deixa a presidência dos Estados Unidos com aprovação superior a 55%. Já Trump, a dez dias de sua posse, tem apenas 37% de aprovação, recorde considerado negativo, de acordo com pesquisa divulgada nesta terça-feira pela Universidade Quinnipiac. Obama encerrou seu discurso com um “Sim, nós podemos. Sim, nós fizemos. Sim, nós podemos”.
 
 

COMENTAR

* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.

RELACIONADAS

Economia e Mercado

Presidente do BNDES diz que país é incompetente para fazer reformas

Esporte

 Presidente do Sport detona Copa do Nordeste

Política

Maduro recebeu US$ 35 milhões de caixa dois da Odebrecht