Sem solução no Caso Kátia Vargas, promotor dispara: Justiça favorece a criminosa


Por Caroline Gois

Dia 11 de outubro de 2013, véspera do Dia das Crianças. Esta data, sem dúvida, marcou para sempre a vida da enfermeira Marinúbia Gomes, que perdeu neste dia os únicos filhos - Emanuel e Emanuelle. O caso que chocou a Bahia e repercutiu em todo país vai completar quatro anos e ainda não foi elucidado pela Justiça. Um dos personagens principais desta trágica história é a médica oftalmologista Kátia Vargas Leal Pereira, 48 anos, acusada de provocar o acidente que resultou na morte dos irmãos, com 21 e 23 anos respectivamente. 
 
Os irmãos estavam em uma moto quando sofreram uma batida pelo carro dirigido por Kátia Vargas - segundo a conclusão do inquérito policial e acusação do Ministério Público (MP), que afirma que a colisão foi provocada de maneira intencional pela médica. Ela havia discutido com Emanuel perto de um sinal pouco antes.
 
 
Em dezembro do ano passado foi realizada a constituição do crime, feita pelo Departamento de Polícia Técnica (DPT). Testemunhas, que não foram nomeadas no despacho da Justiça, participaram da reconstituição. No mesmo ano do acidente, a família conseguiu com o que caso fosse a júri popular. O Supremo Tribunal Federal (STF) negou um pedido da defesa da médica para que isso não ocorresse. A defesa da oftalmologista já havia recorrido ao Superior Tribunal de Justiça (STJ), que também negou.
 
De acordo com o inquérito policial da 7ª Delegacia (DT/Rio Vermelho), a oftalmologista arremessou o veículo que dirigia contra uma moto pilotada por Emanuel Gomes Dias que trazia na garupa sua irmã Emanuele Gomes Dias, projetando-os contra um poste, em frente ao Ondina Apart Hotel, resultando na morte instantânea dos irmãos. Imagens gravadas do local mostram o carro da médica seguindo atrás da moto antes da batida. A médica ficou presa por quase 2 meses no Conjunto Penal Feminino, no Complexo da Mata Escura, em Salvador. 
 

Altar montado por Dona Marinúbia
 
O promotor Davi Gallo Barouh procurou a reportagem do site Bocão News para relatar o que, para ele, siginifica benefício à acusada. "Até aonde eu sei, Kátia Vargas continua exercendo a profissão de médica e, é inadmissível, porque ela continua dirigindo veículo automotor. Enquanto isso, a mãe das vítimas enlouquece esperando por uma Justiça que só favorece a criminosa. A pessoa fica esperando justiça e a justiça não vem. Fico revoltado porque não tem necessidade nenhuma deste processo protelar", afirmou o promotor. Ainda conforme Gallo, o júri estava programado para julho deste ano, "mas tudo indica que não ocorra porque os laudos nem foram enviados".
 
Recentemente com a família das vítimas, o promotor lamentou o sofrimento de dona Marinúbia. "Ela construiu um altar. Fica esperando os filhos voltarem. É muito revoltante e doloroso tudo isso", acrescentou. 
 
 
Em dezembro de 2013, a médica Kátia Vargas decidiu falar pela primeira vez sobre o caso. Em vídeo, exibido com exclusividade pelo Bocão News, ela afirma que morreu junto com os meninos. "Não posso assumir algo que não fiz. Acredito na Justiça dos homens e na divina. Se perdermos a fé na Justiça, acho que perderemos a fé na vida. A verdade existe e tem que aparecer.... o acidente é trágico mais para ela (referindo-se à mãe dos jovens) do que para mim. Apesar do sofrimento eu estou viva, mas sei que esta dor não tem preço, não tem tamanho, não tem tempo pra passar, não sei nem se passa..". "Meus filhos foram expostos à mídia, apesar de serem menores de idade; meu marido também foi exposto em público; minha clínica recebeu ameaças de ser depredada. Recebemos ameaça de morte", disse. 
 
Em outro momento Kátia fala para a mãe de Emanuel e Emanuelle: "Se eu pudesse falar para a mãe desses meninos, olho no olho, queria que ela soubesse que sou inocente, não matei esses meninos, não tive culpa nesse acidente".
 
A oftalmologista foi presa no dia 17 de outubro e exatamente um mês depois deixou o Complexo Penintenciário Feminino da Mata Escura. Kátia depôs pela primeira vez no dia 12 de dezembro e garantiu não ter colidido com a moto dos irmãos. Agora, a família aguarda a decisão da Justiça para que o júri popular ocorra. Atualmente, a médica está em liberdade. 
 
Matérias Relacionadas:
 
 
Publicada originalmente em 14/04 às 13h22

COMENTÁRIOS

SANTOS - 17/08/2017 - 11:35
Muito triste! Estamos vivendo em um mundo que, o poder, o dinheiro, arrogância, a descriminação, o estresse e outras coisas que vivenciamos no nosso dia a dia, estão causando esse tipo de atitude que essa médica tomou, em ter um discussão no transito e decidir jogar seu carro contra moto. Se for analisar nas bases de pesquisas a quantidade de acidentes causados por pessoas despreparadas e estressada, são muito elevada em todo Brasil. E o maior responsável disso tudo é nosso governo que não aplica leis mais severas em todas as situações de crime. De um anos para cá estamos vendo crimes absurdos que chocam o nosso pais e principalmente nos seres humanos. onde estão os valores... Estamos refém dessas leis que não resolvem nada. A cada dia um crime brutal, onde quem provocou esta em liberdade e imune de ser condenado pelo crime que cometeu. Isso é triste e revoltante. Nos cidadão de bem, que pagamos nossos impostos em dias, não podemos ficar a messer das leis desses politicos. DEUS TRAGA O CONFORTO PARA ESSA MÃE E SUA FAMÍLIA. A JUSTIÇA SERÁ FEITA!
Julia - 06/05/2017 - 11:36
Estranho, promotor que procura meios de comunicação para dar entrevista. No mínimo, estranho.
Sidnei - 23/04/2017 - 08:29
É muito fácil,pessoas "apontarem o dedo" quando ocorre um crime,mas vamos analisar friamente (como deve ser feito) toda a situação. Imagino como deve ser a dor da mãe que perde os seus filhos,afinal,a ordem natural é que os filhos enterrem os pais... Mas,voltando ao caso concreto,o que se tem nas imagens é o que aparenta ser uma discussão entre as vítimas e a acusada,em seguida o veículo da mesma parte em alta velocidade e atinge a moto das duas vítimas que foram a óbito no local. todos nós que dirigimos estamos sujeitos a ouvir insultos de motoqueiros e motoristas irresponsáveis e que se acham os "donos das ruas",(e não estou dizendo que era este o caso),"fechadas",batidas e as mais diversas provocações e ofensas... O que acontece é que nem todos os dias estamos pra bancar a "Madre Tereza de Calcutá" ,o Karol Józef Wojty?a ou o "Dalai Lama"... Sempre devemos ouvir e entender as duas versões sofre o fato. Que Deus conforte a mãe que enterrou seus dois filhos e dê o necessário entendimento a autora sobre sua conduta. Se esse entendimento for em cumprimento de pena restritiva de liberdade,ótimo,se não,que seja de maneira a que isso não se repita. E aos que ficam neste mundo (os habitantes de "Midgard" como diriam os antigos nórdicos),fica a reflexão de como todos devem se comportar no trânsito e na vida:todos os nossos atos geram consequências...
Kidrubronegro - 22/04/2017 - 23:11
Se fosse filhos meia, ficaria estacionado na porta da casa dela e passava por cima com meu carro. Seria acidente também, era só tomar umas antes. Se matar com carro não da prisão faria isso sem pensar 2 vezes.
Romano - 20/04/2017 - 10:04
Ela deveria estar presa, lugar de assassino é na cadeia, ela pode enganar a justiça dos homens, mais a justiça de DEUS, ninguém escapa. As imagens mostram ela em alta velocidade correndo atrás dos meninos, até derruba-los da moto.
Maria - 19/04/2017 - 11:49
Em situações que envolvem mortes, tendenciamos a apontar o dedo para "quem matou". Quem dirige sabe o quanto o trânsito é stressante e o quanto tomamos atitudes impensadas em questão de segundos. A dor da mãe é irreparável. Ela vai levar pro resto da vida a dor da perda, da tristeza. Mas venhamos e convenhamos, essa Kátia saiu de casa para matar ou isso que aconteceu foi um terrível e tenebroso acidente? Eu como juiz não saberia julgar e como humana, peço a Deus que acalenteo coração da mãe e o da envolvida no acidente.

Carregar mais comentários.

COMENTAR

* NÃO SERÃO AUTORIZADOS COMENTÁRIOS COM PALAVRAS DE TEOR OFENSIVO COMO XINGAMENTOS, PALAVRÕES E OFENSAS PESSOAIS.

RELACIONADAS

Trânsito

Acidente e manifestação causam retenções no trânsito nesta sexta-feira

Acidente

Capotamento deixa um morto e um ferido na BA-099

Justiça

Kátia Vargas vai a júri popular dia 7 de novembro

Acidente

Vice-prefeito de cidade baiana morre em acidente no norte de Minas